sábado, 8 de janeiro de 2011

Homens x Mulheres

Carmen Sílvia Musa Lício

Bom, creio que você já deve ter lido a minha crônica sobre o “relacionamento a dois”... Então, vamos escrever um pouco sobre o outro lado da questão.

Quando “adolescemos” já pensamos em “garfar” aquele (ou aquela) maravilha que nos tirará da “mesmice” das nossas existências. E vamos à luta, cada qual a seu modo. Umas “desfilam” na frente dos “candidatos”, outras, mais tímidas, ficam de longe olhando e sonhando com tal “preciosidade”. Os rapazes, por sua vez, chamam a atenção de todas as formas imagináveis, às vezes até parecendo ridículos, com suas vozes esganiçadas... Mas...Tudo é belo!

Nesta fase, quando saímos com o “gentil cavalheiro”, ele nos abre a porta do restaurante, espera "adentrarmos o recinto" (bonito, não?), puxa a cadeira para sentarmos, abre a porta do carro, enfim, um perfeito “gentleman”...

Ela por sua vez, vai “vestida para matar”, coloca “aquele perfume” (dá para sentir a metros de distância), não se atrasa (muito importante no 1º encontro!) e “coloca” o seu melhor sorriso; encantador... Tudo “super” romântico.

Após idas e vindas, finalmente começa a namorar com o tal “príncipe encantado”. Tanta novidade: conhecer, saber dos seus gostos, das suas preferências, de tudo o que puder saber. Parece até que estão fazendo um curso intensivo a respeito...não cansam de se conhecerem, tanto física, emocionalmente, em todos os aspectos... Ah! O amor é lindo!!!

Então, resolvem “ficar noivos” (será que ainda se usa isto?). Começam a fazer planos para o futuro, como será a vida a dois, como será a casa, quantos filhos pensam ter, uma infinidade de coisas a serem compartilhadas, discutidas e acordadas.

E os móveis? Aí começam as diferenças: ele gosta de uma decoração despojada, estilo “clean”; ela gosta de móveis rústicos, do tipo “mineiro”... Ela quer um casamento suntuoso (afinal, “só se casa uma vez”), ele quer casar só no cartório (muito mais prático e econômico)... Mas os dois se amam “de paixão” e tudo, tudo será superado após o casamento, com certeza.

Tudo resolvido, entre “mortos e feridos” salvam-se os dois, caminhando felizes para o altar! A cerimônia de casamento é um sonho!!! Com clarinetas, violinos, daminhas de honra, padrinhos, muitos padrinhos, como convém em tal situação...

Após a recepção, os dois saem para a lua de mel... Idílico!!! Viajam de avião para algum lugar paradisíaco, mais parecendo com a ilha da fantasia, e ficam lá por uma semana, regada a vinho, e a tudo que têm direito. Tiram dezenas de fotos, voltam morenos e felizes...

O tempo vai passando, e um belo dia, ao acordar, o mancebo olha para o lado e...o que vê? Onde está aquela princesa com quem se casou? Quem é aquela estranha ao seu lado, mais parecendo “salva do incêndio”? Toda amarfanhada, com a maquiagem borrada, os cabelos arrepiados, a camisola deu lugar a uma “camiseta velha com alguns furinhos” (tão gostosa!), uma verdadeira “gata borralheira após a meia-noite”.

Você está rindo? E a mocinha, logo ao se levantar, vê o amado tirando a remela do olho, só de cueca, “mijando” sem levantar o assento da privada, sem conseguir “mirar” direito. Realmente enternecedor...

Ficam pensando: “Onde foi que eu errei?”, “Será que cai numa armadilha?”, “Será que fui vítima de propaganda enganosa?”, quantos pensamentos lhes vêm à mente... E isto é só o começo, tem mais...

Na época do namoro, um coloca um bocado de comida na boca do outro, verdadeiro gesto de amor! Após algum tempo, dependendo do casal, quando um pede para o outro pegar um copo de água, o outro só falta responder: “Que tem? É aleijado?”... Romântico, não?

É verdade que aquele cuidado excessivo de antes do casamento tende a desaparecer, mas não precisamos ser tão “nus e crus”... Isto acaba com qualquer romance...

Será que estou sendo cruel demais? Não creio, pois tenho certeza de que você, é , você mesmo, deve estar se lembrando de muitas facetas desta triste realidade que eu deixei de contar...

Passado mais um tempo (nada melhor do que o tempo para diminuir qualquer ilusão), o maridão chega em casa, cansado do serviço. A mulher está com cara de quem saiu de uma guerra, com as crianças pulando pelo sofá, a sala um “campo minado”, e tudo o que ele desejava era descansar um pouco, tomar uma ducha, comer e dormir assistindo o telejornal preferido, pois no dia seguinte terá que madrugar novamente...

Já a esposa só pensa se conseguirá passar por mais este dia inteira, dando conta de tudo, deixando as coisas mais ou menos adiantadas para a manhã seguinte, na tentativa de diminuir o atropelo diário matinal...
O dia a dia acaba desestimulando qualquer tipo de romance; se não prestarmos atenção, estaremos fadados à mesma "aporrinhação" por todos os dias da nossa convivência... Isto, no mínimo, é desanimador!!!

O mais difícil não é garfar aquele ou aquela maravilha... O mais difícil é conservar o amor que os uniu, aprofundando-o na convivência diária, enriquecendo-o sempre, tornando-o uma aventura a dois...

4 comentários:

  1. Eu não creio que há uma receita, um segredo para a felicidade conjugal... acho que depende de cada um e do empenho que cada um coloca na relação... para uns pode ser impossível, para outros não é tão difícil assim... se o casal em vez de seguir estereótipos, conseguir cria seu próprio padrão de vida conjugal, a vida a dois valerá a pena.

    ResponderExcluir
  2. *
    amiga,
    adorei o teu texto,
    parabens,
    ,
    conchinhas,
    deixo,
    ,
    *

    ResponderExcluir
  3. É verdade, Rubinho!!!

    Gostei do seu aparte...

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Poeta és:

    Saudades de você!!!
    abçs

    ResponderExcluir